Roselena Salgueiro Ruivo
Belém / PA

 

 

Em reticências

 

Dá-me um ponto
Em reticências...
Porque não cheguei ao fim
Sempre recomeço abrindo aspas,
Claves, travessões
Não é qualquer ponto e vírgula
Que me compassa
Sigo pontuando meus dias entre vírgulas
Deitando colchetes nas entrelinhas
Entre dois pontos, exclamações,
Mas pontuando sempre a interrogação
Porque buscar o saber traduz humildade
Sempre...
E sigo na esperança de não rimar
Amor com dor
Prefiro deixar em pausa
Pra quando aportar em mim lembranças,
Arrancando doces sorrisos de saudade
Sem ponto final
Em reticências, por favor...

 

 
 
Poema publicado no livro "100 Grandes Poetas Modernos" - Edição Especial - Julho de 2017