Iracema de Alvarenga
Curitiba / PR

 

Incerteza

 


Quando a noite surge sou eu.
Tudo o que fui: flecha,espada, escudo.
Olhos que se despertam até no escuro.
Quando o sol surge sou eu.
Tudo o que sou; alegria, incandescência,
Tudo o que fui: canto, flor, brilho.
Quando a melodia ecoa sou eu.
Sou ritmo, canção , sentimento.
Coração que se emociona com a canção.
Quando a poesia ecoa sou eu.
tudo o que sou : fada, encantamento,musa.
São versos translúcidos.
De verso em verso fantasio, brinco com as palavras,,,
Sonho, devaneio, fantasio...
Tudo que serei: lúcida.
E de repente, um redemoinho...
Aturdida,sou quase lucidez 
que se descobriu miragem.

 

 

 

 

 
 
Poema publicado no livro "4º Anuário da Nova Poesia Brasileira" - Maio de 2018