Abraão Leite Sampaio
Governador Valadares / MG

 

 

Ariano Suassuna


O literato que afirmava:
o tolo maior é o intelectual vaidoso


O escritor que entrelaçou o erudito com o popular
Era filho de “presidente de estado”
Pai presidente? ... Sim, era a denominação dada
Aos governadores nas primeiras décadas do século passado

Seu nascimento ocorreu em uma casa vasta e suntuosa
Construído pelos padres jesuítas
Antes do primeiro centenário da nação
Este foi seu primeiro lar
O imponente e vistoso Palácio da Redenção

Seu progenitor João Suassuna 
Governou o estado da Paraíba... em época conturbada
E por infortúnio do destino... o inocente João
Teve sua vida covardemente ceifada

A tragédia “leva” a família ao sertão
Na diminuta... ensolarada e solo quente Taperoá
Onde Ariano conclui sua alfabetização

Ali... o menino sertanejo “sonhou” viu e sentiu
Que a diversificada biblioteca de seu pai
Alocava “o circo... o cinema... e a peteca”
Também o “jogo” mais praticado...  To frio... To quente
Estava seguro que a leitura substituiria o regozijo destas brincadeiras
 E era a centelha que iluminava sua mente

O “mergulho” na literatura...
Manteve sua mente acessa ao longo da vida
Vieram as criações que despertavam... amor. paixão e loucura
Estava brotando... como o vigor de ervas irrigadas
Uma arte brasileira erudita... enraizada na cultura popular

O “broto” mais reluzente... que emanou desta mente
Foi a comedia dramática... O auto da compadecida
Uma pluralidade... porém inconfundível
Que mostra o “Cerne” do Movimento Armorial...
Entrelace de todas as formas de expressões artísticas
Onde o autor evidencia manifestação de atividade reflexiva genial.

 

 

 

 
 
Poema publicado na Antologia de Poetas Brasileiros - vol. 161 - Junho de 2018