Ismar Carpenter Becker
Rio de Janeiro / RJ

 

 

Incertezas

 

Amanheceu e a esperança se renovou
Anoiteceu e a incerteza bateu no peito
Incerteza num ponto cego de uma curva
Dúvidas afloram
E se não surgir a primavera novamente?
Haverá beija-flores?
As flores irão colorir os campos?
Incerteza de amores a serem amados
Dos obstáculos a ultrapassar oscilando como um pêndulo
Entre cruzes e espadas
Seguindo à direita ou à esquerda
Ser uma metamorfose ambulante
Incertezas dúvidas interrogações que só fazem sofrer
A ansiedade da antecedência
O medo do desconhecido
A chuva que não virá
O fruto que não amadurecerá
A partida para algum lugar
Incertezas seguirão sempre como incertezas
as

 

 

 

 

 

 
 
Poema publicado na Antologia de Poetas Brasileiros - vol. 163 - Agosto de 2018