Neri França Fornari Bocchese
Pato Branco / PR

 

 

Joaquim, pato-branquense

 

Ele nasceu, Cheio de Graça
Com muitas bênçãos, para distribuir.
Joaquim, o Pai de Miriam,
A Mãe do Filho de Deus.
O nosso, uma linda criança,
Para um mundo melhor, construir.

Criança querida,
Amada desde a eternidade,
“ Eu já te conhecia”.
O filho do Evandro e, da Raquel.
O neto da vovó Leodaci.

Recebido com carinho.
Um presente, para o Miguel,
Dois meninos, dois tesouros.
O vovô Luiz, refletido
No rostinho angelical,
O retrato de uma família.
Vai crescendo, cercado de amor,
Com Graça e Sabedoria.

Entre os nobres Joaquim
Um,  o Maria Machado de Assis.
Da Academia Brasileira de Letras.
E, o outro, do lugar de Misericórdia
A Piscina de Bethesda, em Jerusalém.
Morava, o avô de Jesus, o Joaquim,
Pertencente a Tribo de Davi.
E, o outro, um pato-branquense
O Joaquim Bocchese Balbinotti!

 

as

 

 

 

 

 

 
 
Poema publicado na Antologia de Poetas Brasileiros - vol. 163 - Agosto de 2018