Neri França Fornari Bocchese
Pato Branco / PR

 

 

Universo todo meu

 

A vastidão desconhecida,
Mas muito celebrada.
Até a onde a mente humana alcança
Depositando toda a esperança.
Alastrado e sem barreiras.
Viajar pelos confins, ainda em expansão.
Ou estar restrito a uma gota d’água
E ainda caber na palma da mão.
Universo misterioso e fascinante
Assustador, mas também grande amigo. 
Quisera eu te conhecer, te enxergar 
Em cada canto, em cada recanto.
Nas noites estreladas, 
Quando o olhar se perde na imensidão.
No meu quarto, o meu universo
Na manhã seguinte, és todo no meu quintal
Onde conheço cada pedrinha
Cada flor que desabrocha.
Onde mora o meu ideal
As minhas Galáxias,
Onde o Sol busca se refugiar
Aquecendo e encantando.
A terra, o ar, a água e o fogo
Os elementos essenciais
No espaço sideral todos palpitantes.
Sendo singelos, proporcionam afago
Com efeitos grandiosos.
Sendo assim, és um universo
O meu universo doméstico
Que cabe no amplo universo Celeste.

 

 

 

 

 

 
 
Poema publicado na Antologia de Poetas Brasileiros - vol. 179 - Janeiro de 2020