Diego Demetrius Fontenele
Taguatinga / DF

 

 

Tenro coração de terno

 

Tenro coração
Deslumbrado com o mundo
Saiu em jornada por ai
Não sabia das coisas da vida

Tenro coração
Apanhou de quem já havia
Levado uma surra na vida
Mas não desanimou

Apanhou não uma, nem duas vezes
Se é trinca ou terno, não importa
Ainda leva consigo a ternura

Pois não importa a vestimenta
Ama de mocassins ou chinelos
Esse Tenro coração de terno.

 

 

 
 
Poema publicado no Livro "Explode Coração" - Edição Especial - Outubro de 2018