Otaviano Maciel de Alencar Filho
Salvador / BA

 

 

Caminhos

 

Nas avenidas da vida tento encontrar o meu passado.
Nas vielas do tempo esbarro com a imprevisibilidade do futuro.
Nos contornos do espaço esgueiro-me a passos largos.
Nos domínios da solidão me aperta o coração.
No brilho da luz ofusco-me lentamente.
Na escuridão fico sem chão.
O eco dos meus pensamentos me tortura.
Serei eu que penso ou minha mente que mente?
Engana-me e esgana-me?
O sonho perturba-me a alma.
Acordado sonho com a noite por vir
Serei eu o que sou?
Onde estou?
O que fazer?
Que tortura cruel avassala-se de mim!
Acuado em um canto sem canto: Ai de mim!
O tempo sem pressa demora a vir...
Vejo a luz aclarar, enfim!
Ouço o som novamente.
O coração aflito se reconforta.
A mente se desentorta.
Começo a acordar do sono!
A saída enfim eu a encontrei
Louvado seja o Eterno!

 

 

 
 
Poema publicado no livro "Grandes Nomes da Poesia Brasileira" - Junho de 2018