Fábio Ferraz
São Carlos / SP

 

 

A cruz do monte

  

É uma Cruz... Uma Cruz que cambaleia
Em meio ao vento que dardeja forte...
É a multidão imensa... Assenhoreia...
Sorrindo ao ver tão desejada morte.

A tarde corre... A escuridão semeia,
Aos pouco, o desterro... Sul a norte...
Na crista de um Monte titubeia
E se verga... Bendita Cruz da sorte.

É a desventura... Existe alguém que chora...
Tristes palmares silenciam... Devora
E se inflama a solidão sem luz.

No descampado morro... Fugitiva,
É uma Cruz... Celeste Cruz cativa,
E nos seus braços se condói Jesus.

 

 

 

 
 
Poema publicado no livro "Outonais" - Julho de 2019