Angélica Matos Ferreira
Guapimirim / RJ

 

 

Exame de consciência

 

A decepção nunca abraça apenas uma das pessoas de um relacionamento. Ela possui braços longos e é capaz de envolver dois ou mais seres ao mesmo tempo. Toda relação é uma via de mão dupla. Seja ela de qual tipo for. 
Sempre existe mais de uma verdade. Em alguns momentos você é a vítima e em outros o réu. Precisamos ser justos e saber pesar as atitudes de todos os envolvidos. Toda ação gera uma reação. Toda relação tem prós e contras. Cada um possui as duas versões. Seus prós e contras, os prós e contras do outro. Ninguém deixa de ter o lado avesso, obscuro. Ninguém é puramente perfeição. 
Culpar apenas o outro é covardia. Não é fácil se relacionar. É difícil lidar com as diferenças do outro. Sejam elas quais forem. Ninguém tem o poder, a obrigação de agradar o tempo inteiro. Cada um tem suas peculiaridades. Nem todos vão gostar. 
É necessário que haja o respeito, a compreensão, a lealdade, a gentileza, o carinho mútuo. Você não é mais importante do que o outro. Mesmo que muitas vezes o outro se diminua, ou se anule por você. Quantas vezes o outro precisou ceder para manter o relacionamento? Quantas vezes você se fez vítima quando na verdade era o réu? Quem pediu perdão? Quem perdoou? O perdão também precisa ser mútuo. 
Não é fácil fazer um exame de consciência. Mas é necessário se colocar no lugar do outro. Rever as suas próprias atitudes. 
Suas feridas são profundas? E as do outro? Qual a sua parte na construção dessas mágoas?

Entendo que te magoei.
Peço-te perdão.

 

 
Poema publicado no livro "Muito moinho pra pouco Quixote" - Contos - fevereiro de 2018