Roberto Antonio Deitos
Cascavel / PR

 

 

A arte de sobreviver

 

Não saberia dizer
Em qual vão
Do universo
Escondemos
Nossos atos desumanizados,
Na vã tentativa de esconder que
Não fomos nós que os cometemos.

Navegamos em mares
Tempestuosos, revoltosos
E imprevisíveis.
Haverá dias que parecerão
Uma eternidade,
Mas virão os dias que nos
Farão sentir o gosto
Pela vida em cada
Milésimo de um segundo!

Não há travessia
Sem que haja
Horizonte para chegar!
Abrir o elenco
De sonhos,
Empurrá-los à nossa frente,
É o primeiro ato
Da arte de sobreviver!

 


 

 
 
Poema publicado no livro "Poemas Enluarados"- Edição 2019 - Novembro de 2019