Willey Hull Willecamp
Caxias do sul / RS

 

 

Pai !

 

 

Pai,
prosterno-me aqui, derrotado.
Bem que tentei, Senhor,
mas sempre pequei pela incompetência,
pela incúria, por ignorância e por medo...
Envergonha-me o rastro do meu passado
pois fracassei em tudo o que tentei
e do pouco que venci não sou digno, sequer,
de uma das folhas do louro.
Sei que mereço a humilhação imposta aos fracos
e a marginalização natural no seio dos nobres.
Pai,
este homem que se curva, agora, à Tua frente,
indigno e incapaz
vil e desgastado
é o menor, o mais fraco
e o mais abominável dos Teus filhos.
Por isso, Pai, nada tenho a Te oferecer
no dia do Teu aniversário.
Absolutamente nada!
Nem as minhas lágrimas
porque estas, o Senhor, com certeza
ficaria triste de receber.
Mas só me restaram elas, Senhor!
Perdão!

 

 

 

 

 




Poema publicado na Antologia de Poetas Brasileiros - vol. 202
Janeiro de 2022

Visitei a Antologia on line da CBJE e estou recomendando a você.
Anote camarabrasileira.com.br/apol202-025.html e recomende aos amigos